Pequeno histórico do pároco Pe. Gentil

            Gentil Lopes de Campos Júnior, filho de Gentil Lopes de Campos, comerciante, e Maria Ignez de Lima Campos, professora. Nasceu em Jundiaí – SP. É o numero quatro de cinco filhos.

            Aos cinco anos de idade se transfere com a família para a cidade de Atibaia – SP onde foi criado, e lá, fez todo o percurso acadêmico básico – da pré-escola ao ensino médio. Após ter passado por todos os percalços da juventude na escolha de uma profissão, prestado vestibulares nas faculdades de Belas artes de São Paulo, Guarulhos e Campinas e tendo se qualificado em muitas delas, escolhe Campinas, onde, durante dois anos cursou a faculdade de arquitetura e urbanismo, e após período de discernimento entre os anos de 1988 a 1993 decide definitivamente buscar a sua vocação primeira, ou seja, servir a Cristo em sua Igreja.

            Procurando o seminário diocesano S. José de Guaxupé MG, entre os meses de Janeiro e fevereiro de 1994 inicia os estudos e convivência seminaristicas. De 1994 a 96 cursou filosofia pura, dos anos de 1997 a 2000 foi transferido para Pouso Alegre MG onde se encontra o instituto interdiocesano S. José, onde cursa teologia. Neste ínterim, recebe as chamadas ordens menores, primeiro; o leitorado no ano de 1999, na casa “S. José” de Guaxupé, em segundo; o acolitato no ano 2000, na até então casa de Formação presbiteral “N. S. das Dores”, hoje seminário Santo Antônio.

            Após passar alguns meses de estágio pastoral dentro do ano de 2001 recebe o primeiro grau da ordem no dia 27 de abril, chamado diaconato. Como de costume, regido pelo código de Direito canônico após seis meses, mais a data de aprovação para a recepção do 2º grau da ordem até o dia da ordenação, a contar, oito meses, recebe pela imposição das mãos de D. José Geraldo Oliveira do Vale no mesmo ano, ou seja, no dia 28 de dezembro, dia dos Santos Inocentes, a ordem presbiteral. Seu lema: “Eu vim para servir e não para ser servido...” MT 20, 28

            Esteve no início de seu ministério trabalhando efetivamente na Catedral diocesana de Guaxupé, junto às pastorais e movimentos. E após um período de dois anos recebe a missão de administrar as paróquias de S. José de Capetinga e Divino Espírito Santo de Goianazes, simultaneamente. Isso se dá, no dia 23 de março de 2003 em Capetinga e 30 de março em Goianazes. Nestas comunidades, procurou estabelecer uma relação bastante forte com seus paroquianos, primando à parceria e co-responsabilidade na vivência administrativa. Foram seis anos e dez meses de grandes alegrias e desafios, recompensados por uma grande amizade de ambas as partes.

            Neste período em que esteve em Capetinga teve a oportunidade no ano de dois mil e seis cursar a especialização (Latu Sensus) em liturgia pela Faculdade N. S. da Assunção de São Paulo. No ano de 2007 a 2009 procurando ocupar-se sempre e melhor o seu tempo, cursou a faculdade de pedagogia de Machado MG. E no ano de 2009 convalidou pela Faculdade Dehoniana de Taubaté seu curso teológico, tornando-se bacharel em teologia pela mesma instituição.

            E finalmente no ano de 2010, mais precisamente no dia 28 de janeiro recebe a provisão de pároco de Santa Barbara das Canoas.

            Com grande espírito empreendedor, já no primeiro ano a frente da paróquia Santa Bárbara, reformou o Clubinho, Capela de Nossa Senhora Aparecida e atualmente esta reformando a Igreja Matriz de Santa Bárbara.

Pequeno histórico sobre a Paróquia de Santa Bárabara

   É imprecisa qualquer afirmação a respeito de uma data quanto à fundação da paróquia Santa Bárbara, uma vez que o primeiro Livro do Tombo foi perdido, embora registros no atual Livro de Tombo, apontem a ano de 1855 como data de fundação.

   Os documentos mais antigos da paróqioa são:

1) O documento de número 14, da família Souza Dias, que registra a Provisão do Oratório, datado de 20/01/1857, em favor da Fazenda Correnteza, que não pode servir como indicador sobre a fundação da paróquia, pois tarata-se apenas de uma autorização para que fossem ministrados os sacramentos naquela capela.

2) O documento datado de 30/04/1858 que trata de uma provisão de Curato, registrada na Então Vila de Jacuí, em favor da Capela de Santa Bárbara, tornando-se independente.

   Ambos foram outorgados por D. Antônio Joaquim de Melo, da Diocese de São Paulo.

 

História da Paróquia através de datas

1896 - Inicia-se o atual primeiro Livro do Tombo;

1896 - Provisionamento da Capela São João da Fazenda Fortaleza, de Cândido de Souza Dias;

1897 - Provisionamento da Capela de Santa Cruz da Prata, ambas outorgadas por D. Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti da Diocese de São Paulo;

1900 - A paróquia passa a pertencer à Diocese de Pouso Alegre;

1903 - Criação do Apostolado do Sagrado Coração de Jesus;

1904 - Fundação das Irmandades: Confederação do Divino Espírito Santo, Filhas de Maria e São Vicente de Paulo. Organização do Catecismo e o Coro;

1906 - Já eram celebradas as Festas de São Sebastião, do Sangue do Coração de Jesus, do Divino Espírito Santo, de São José, do Rosário, de Santa Bárbara e do Natal;

1908 - Há o Primeiro Movimento Missionário;

1914 - Estabelecida a Irmandade da Terra Santa;

1915 - Fundação da Conferência São Vicente de Paulo;

1916 - A Diocese de Guaxupé foi criada em 03 de fevereiro pelom Papa Bento XV, desmembrada da então Diocese de Pouso Alegre. Atualmente abrange 81 paróquias distribuídas em 41 municípios e 11 distritos, divididas em sete setores pastorais: Poços de Caldas, Areado, Alfenas, Guaxupé, São Sebastião do Paraíso, Cássia e Passos;

1922 - Fundação da Associação das Damas de Caridade e a Despensa de São Vicente, União Católica de Moço e Associação de São Luiz Gonzaga. Realização da primeira Procissão de Corpus Christi. Inauguração da Capela de Bom Jesus;

1923 - Fundação da Irmandade de São Benedito;

1929 - O Bispo D. Ranulpho da Silva Farias sagra o alto-mor, o primeiro da Diocese em honra à Santa Bárbara, onde há relíquias de São Honorato, São Valentim e São Vital;

1942 - Organização da Juventude Feminina Católica. Introdução do Retiro Espiritual nos dias de Carnaval;

1945 - Criação da Liga Católica de Jesus, Maria, José e a Pia União das Filhas de Maria em Santa Cruz da Prata;

1946 - Renovação da Consagração da Paróquia à Imaculada Conceição.Comemoração da primeira Festa de Santo Antonio;

1947 - Realizada, na paróquia, a Quinta Concentração Mariana da Diocese;

1948 - Primeira menção à Festa de São Vicente;

1950 - Desmembramento da Paróquia de Nossa Senhora Aparecida e de Santa Cruz da Prata, da Conferência de São Vicente de Paula e da Conferência de Santo Antônio com a criação do Conselho Particular das Conferências;

1953 - Guaranésia recebe a visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima;

1958 - Fundação da Cruzada Eucarística;

1961 - Guaranésia passa a ser a sede da Comarca Forânea de Nossa Senhora das Dores;

1963 - A Paróquia recebe de Dom Hugo Bressane de Araújo uma relíquia "ex ossibus" de Santa Bárbara;

1964 - Celebração da primeira missa em português com o padre voltado para os fiéis;

1965 - Início da Campanha da Fraternidade;

Anos 90 - A Capela de Bom Jesus passa por uma grande reforma. A Capela abandonada foi demolida e em seu lugar foi edificada uma igreja, graças a um movimento liderado pelo casal Nina e João Biela. Em agradecimento foi nomeada a praça da igreja de Praça João Biela. A Renovação Carismática e a Patoral da Juventude têm atuação marcante no Bairro Bom Jesus.

 

   Um dado curioso sobre a história da capela é que, inicialmente, na região em que hoje se encontra o bairro do Bom Jesus, seria criado um mosteiro beneditino. Os monges viriam da cidade de Santos - SP para formar uma nova casa religiosa. O próprio oratório do Bom Jesus foi doado pela Mitra Diocesana com a finalidade de se instalar a Capela Abacial do então mosteiro, conforme registros nos livros paroquiais. Infelizmente, o projeto não pode ser concretizado.

 

1994 - Inauguração da Capela de São João Batista, na Vila Nunes.

 

Os párocos e períodos de atuação

Pe. Braz Mazzaro: 1896 a 1902;

Pe. Nicolau Scuracchio: 1903;

Pe. Samuel Fragosos: 1904 a 1906;

Pe. Braz Mazzaro: 1907 - 1908;

Pe. Nicephoro Correia de Morais: 1909-1910;

Pe. David de Mota e Pinho: 1911-1912;

Pe. Cônego José Philippe da Silveira: 1913;

Pe. José Alencar e Souza: 1914-1921. Falecido em 02/09/1921 e sepultado no Cemitério Municipal de Guaranésia. Em sua homenagem foi nomeada nomeada a Praça Monsenhor Alencar, localizada na Rua Capitão Gabriel, Centro, Guaranésia;

Pe. Dr. Alcindo Gonzaga Pereira: 1921-1923;

Pe. José Maria Martinez: 1924;

Pe. Messias Bragança: 1925--1927. Comandou a primeira grande reforma da Igreja Matriz, com a substituição  das duas torres originais por uma única torre, tal como hoje se apresenta. Também participo da cerimônia de instalação da Comarca de Guaranésia em 04/12/1925;

Pe. Eusébio Leite: 1928-1934: (autor do Hino à Santa Bárbara);

Pe. Ricardo Grella: 1935-1988;

Pe. Àlvaro Alves da Silva: 1989-2009;

Pe. Gentil Lopes de Campos Júnior: 2010 - atual pároco.

 

História do projeto

Este site saiu de uma conversa com o Pe. Gentil, de não termos um meio de comunicação nosso, onde nossos fiéis pudessem saber de tudo o que está acontecendo em nossa paróquia, os eventos que estão acontecendo e os que irão acontecer. Espero que gostem e que seja uma ferramenta muito útil para a nossa comunicação. 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!